O futebol como um jogo de sentimentos

O futebol como um jogo de sentimentos

Enquanto treinador nunca vou renunciar àquilo que mais gosto e mais prazer me dá, o bom futebol. Enquanto espectador vou sempre preferir e admirar quem o faz e valoriza aquilo que tanto gostamos, o jogo e o futebol, o espectáculo.

Viver sem sentir. Passar por vários momentos sem que eles nos digam nada. Ver futebol que não passe qualquer tipo de sentimento. Jogar um futebol que não dê prazer ser jogado. Quando assim é o que se retira de positivo ou de proveitoso deste tipo de situações? Rigorosamente nada!

Como treinador, uma das minhas máximas é que os meus jogadores desfrutem do jogo que lhes proponho, que se divirtam a jogá-lo. Isto porque no fundo ninguém está no futebol se não gostar ou não tiver prazer em jogar, principalmente em jogar. O futebol é dos jogadores, o futebol é para os adeptos. É para eles o jogo, acima de tudo é para eles o espectáculo. E o treinador é a ligação entre ambos. Coloca os jogadores a jogar um futebol que eles gostem de jogar e um futebol que ao público lhe de prazer ver. Um futebol atractivo, de ataque e que crie muitas situações de finalização. Todos os espectadores gostam de ver um jogo destes, todos os jogadores gostam de jogar um jogo destes. Depois cada treinador da a sua marca à equipa, à sua maneira, consoante as suas ideias.

É muito assim que vejo o futebol, como um jogo de sentimentos. O jogador pode ganhar, ganhar, ganhar, sentir felicidade pela conquista, sentir o prémio nas mãos, o calor dos festejos, mas não sentir prazer em acordar dia após dia e ir para o treino. A equipa pode ganhar, ganhar, ganhar e não passar nada aos seus adeptos e muitos menos ao adepto não de um clube mas de futebol. Isto porque no final do dia, uma pessoa vai ver um jogo e se este não lhe passar qualquer tipo de sentimento muda para a novela ...

Partilhar:

Sobre WiCoach Conta

WiCoach Conta

...

  • RSS
  • E-mail

Comentários

Filtrar Artigos

O que se passa hoje?