2017-04-13 01:11:53

Quando o F.C.Porto pode ter ganho o campeonato na Luz

Quando o F.C.Porto pode ter ganho o campeonato na Luz

Próxima jornada será decisiva para as contas do campeonato

Fui muito crítico em relação a Nuno Espírito Santo ao longo de toda a temporada. Entendo, por exemplo, que se demorou muito tempo a desenhar um sistema que possibilitasse uma melhor resposta frente a equipas de bloco mais recuado. E sou contra “sebastianismos” ou, melhor dizendo, sou contra a chegada de Soares como uma espécie de solução para todos os males. O F.C.Porto demorou muito a perceber que tinha de mudar de paradigma e apostar num jogo mais em posse, mais exterior, para fazer debilitar as equipas ditas mais pequenas. Desequilibrar mesmo sem espaço ao invés de se esperar que o espaço se proporcionasse.Óliver de frente para o jogo, pensando-o mais rápido que todos os demais. E a falta de eficácia não serve de desculpa.

 Fui também contra o seu discurso. Marcadores, quadros e esquemas existem em todo o lado. Bem como adjectivos fortes. O pior é quando se diz que o F.C.Porto esteve sempre mais perto de ganhar que o adversário, quando dizer tal coisa é aceitar uma espécie de “verdade de La Palisse”. O F.C.Porto está sempre, ou quase sempre, mais perto de ganhar que o adversário. Pode não ganhar. Pode até nem merecer ganhar. Mas raramente o adversário fica mais perto de ganhar o jogo. Imperativo. É a lei do mais forte.

Mas os dois parágrafos anteriores podem cair por terra. Porque Nuno teve um mérito tremendo. No jogo frente ao Benfica. Só um treinador realista e perfeitamente a par do contexto não cairia na tentação de partir o jogo. O Benfica tem Rafa, tem Salvio, tem Cervi, e adora transições rápidas e violentas. A estratégia realista da Luz pode ter valido um campeonato ao F.C.Porto. Porque o Benfica está preso por arames. Procura recuperar “à pressão” elementos determinantes como Fejsa e Grimaldo para inverter a tendência decrescente dominante. O Benfica não está a jogar bem. Vai certamente perder pontos. Frente ao Moreirense, caiu mesmo na vulgaridade em certos momentos do jogo.

 Aliás, por falar em Grimaldo, a entrada do espanhol é uma necessidade imperiosa para se redefinir o perfil de uma equipa que baseia o seu jogo ofensivo pelos corredores. E que sentiu bastante a saída de Gonçalo Guedes. O agora PSG tinha a capacidade de ligar o ataque a toda a linha, factor que dominou o Benfica grande parte da temporada. É certo que Jonas faz a diferença e faz os outros fazerem a diferença, mas certo é que a mudança demasiado brusca e a falta de continuidade de Jonas levantaram interrogações a toda a equipa. Que tem Pizzi a baixar e a tentar pegar no jogo de forma constante. Um Pizzi que está esgotado. Preso por arames. Tal como toda a equipa. Uma equipa que não se refrescou devidamente ao longo de toda a época. E que agora está a pagar a factura.

 Esta será uma jornada decisiva. O Benfica vai receber o Marítimo, e os insulares vão ter no onze os seus dois elementos mais fortes: Erdem Sen e Fransérgio. Com eles em campo, o Marítimo ganha uma espécie de blindagem em termos de transição defensiva, que sustenta uma linha agora definida com a entrada de Luís Martins para a lateral esquerda. O Marítimo defende bem e marca muitos golos de bola parada. Aliás, eu diria mesmo que Marítimo e F.C.Porto são as equipas mais perigosas da liga a aproveitar lances de bola parada.

 O Porto vai a Braga, e ir a Braga é um desafio complicado. Mesmo com as indefinições do seu meio-campo, e da metamorfose brusca que foi alvo a meio da época, os arsenalistas têm valores individuais que fazem a diferença. No caso, o factor colectivo pode pender de sobremaneira a favor dos dragões.

 Por falar em colectivo, que dizer da equipa do Rio Ave, uma das sensações da temporada? Futebol atractivo que pouco espaço dá ao adversário. O onze foi consolidado de trás para a frente, potenciando o actual talento de Gil Dias e fazendo sobressair de forma racional o “grande” Adama Traoré. Com Roderick recuperado e estabilizado pós golo de Kelvin. Um clube com futebol de liga Europa, com critério e qualidade, que pode trocar as voltas ao campeonato. O Benfica ainda vai a Vila do Conde. E faço um pouco de futurologia pois eu acho que a continuar assim o Benfica dificilmente sairá de Vila do Conde com os três pontos.

Para a semana voltarei a falar do Sporting. É neste final de época risonho mas fora dos holofotes que se constata de que forma os leões são tão vulneráveis ao que se passa no exterior. Menos manchetes, mais qualidade de jogo. Sei que estou a ser muito residual mas também entendo que não ando muito longe da verdade. Parece outra equipa…

Partilhar:

Sobre Gil Nunes

Gil Nunes

...

  • LinkedIn
  • E-mail

Comentários

Filtrar Artigos

O que se passa hoje?