2018-02-01 23:37:02

Jogador de Rua.

Jogador de Rua.

Nos últimos anos, quem acompanha o fenómeno do futebol de formação vai-se apercebendo que começam a escassear aqueles miúdos mais habilidosos... Aqueles que sem nada prever conseguiam tirar um coelho da cartola e brindar os Pais/Familiares e outros espectadores com um drible de génio, com um drible de génio muitas vezes sobre 1, 2 ou 3 adversários. O miúdo que durante o jogo procurava constantemente a finta, que deixava adversários no chão com aquele " nó " como se diz na gíria e dizia a velha guarda da bola ( aqueles senhores que ao sábado e domingo de manhã passam os dias no clube do bairro a ver jogos dos escalões de formação e que noutros tempos espalhavam magia nos pelados ) e que nos deixava a todos deliciados e com vontade de no final do jogo lhe dar uma palavrinha, parabenizando-o pela exibição! Este tema tem vindo a ser recorrente, principalmente em tudo o que são cursos e formações de futebol, sendo um assunto que vem quase sempre " à baila ", quer por formandos quer por formadores. Sinto que na maioria das vezes a culpabilização desta escassez é apontada aos treinadores... Ouço muitas vezes que os treinadores da formação "castram", limitam e formatam os miúdos desde cedo. Se concordo? Em parte sim. Se acho que é o único e maior problema? Não, de todo! Aponto então alguns dos factores que acho mais preocupantes, mais pertinentes e justificativos para a questão: - Tecnologia. Com a tecnologia a ser cada vez mais um pão nosso de cada dia dos jovens e adultos, a mesma retira tempo de exercitação, de brincadeira e de momentos passados na rua. A maioria dos miúdos troca um jogo de FIFA por um jogo com amigos, aquele jogo que fazíamos muito, 2 vs 2 com 4 pedras a fazer de balizas, fosse num terreno plano, fosse numa terreno irregular, fosse numa rampa, no meio dos carros, no quintal e no meu caso muitas vezes o terreno de jogo era o corredor da casa da minha avó, a porta de entrada uma das balizas e o arco que separava o Hall de entrada com a zona privada a fazer de baliza também. È mais frequente vermos um miúdo mexer num telemóvel, Ipad ou computador do que a andar de bicicleta, skate, ou a jogar á bola com os amigos, aqueles que muitas vezes acabavam quando a bola invadia o quintal do vizinho, quando batia no vidro de uma carro ou quando o dono da bola amuava e não deixava mais ninguém jogar, mas também a fazer jogos, aqueles jogos lúdicos mesmo sem bola, como o simples jogo da macaca, da mosca e aqueles mais típicos que todos fazíamos...Podemos então afirmar que os simples jogos de Ipad e telemóvel substituíram facilmente os jogos com os amigos. - Escola. A escola aparece como um problema também, fácil de identificar! As aulas de educação física são em menos volume que qualquer outra disciplina, sendo quase como uma aula desvalorizada no âmbito escolar, porquê!? Os miúdos passam então a maior parte do seu dia sentados, sentados a processar informação que lhes é debitada. Arte e música são outras duas disciplinas que poucos alunos têm. Ora, como vamos desenvolver a perícia, a coordenação motora, agilidade e sobretudo criar hábitos e rotinas de treino, de desporto, de exercício físico nas crianças, se priorizamos despejar-lhes informação? Não duvidem que, Os alunos deveriam ter educação física nas escolas todos os dias! - Cultura. Se os atletas com as características que a cima referi saíam de Países latinos como, Brasil, México, Argentina e muitos deles do nosso País sendo que nós tínhamos consciência disso, porque é que cada vez mais em Portugal deixamos de ter estes jogadores? Sendo que mesmo nos Países Sul-americanos já começam a aparecer em muito menos quantidade? Vou tentar lançar aqui alguns factores culturais que inibem o aparecimento daquele "jogador de bairro" que estávamos mais habituados a ver. Ora se estivermos com um grupo de amigos na rua seja durante o dia ou mais à noite o mais provável é sermos abordados pela polícia... este simples factor inibe ou não? Se jogarmos á bola nas estradas como antigamente o mais provável é os vizinhos chamarem a Polícia, enquanto à uns anos apenas nos víamos " ameaçados " com o facto de ficarmos sem a nossa melhor amiga ( a bola ). São ou não factores condicionantes e inibidores durante o processo de desenvolvimento das crianças? Onde estão os espaços para os miúdos brincar? Onde estão os bairros para os miúdos brincar? Onde está a liberdade dos miúdos? Não nos podemos esquecer que Jogar á bola na rua não tem nada a ver com organização. Tem a ver com criatividade, liberdade, autonomia e alegria!! Messi diz mesmo que desde os seus 3 anos de idade jogou futebol todos dias da sua vida! Que não duvidemos que na rua nascem/crescem jogadores. Uma reflexão sobre isto leva-nos a perguntar qual a idade ideal para a iniciação em academias e escolas de futebol, por exemplo, mas mais que isto a quem vão entregar o vosso filho de 4/5/6 anos e com que finalidade?

Partilhar:

Sobre Luís Nunes

Luís  Nunes

Luís Filipe Martins Ferreira Nunes, Treinador Português. ...

  • E-mail

Comentários

Filtrar Artigos

O que se passa hoje?