Entrevista a João Nuno Fonseca

Entrevista a João Nuno Fonseca

É Português e trabalha actualmente na Seleção Nacional do Qatar Sub-19, onde está focado em preparar o Campeonato Asiático Sub-19 (AFC U19) que dará acesso ao Mundial Sub-20 em 2017 na Coreia do Sul. Vê mais uma entrevista onde a qualidade do analista / treinador Português vem ao de cima.

Para quem não te conhece, fala-nos um pouco de ti, do teu trajeto e como chegaste à Aspire Academy.

 Chegar a ASPIRE Academy traduziu-se na vontade intrínseca que tenho de ambicionar sempre mais. Não houve valorização e visão, na altura em que estive na Académica. Profissionais da analise de jogo segundo a visão de algumas pessoas que gerem, são “os que filmam jogos e fazem os videos”. Infelizmente pensa-se assim em determinadas culturas mas isso não me demoveu de ser proactivo, porque não penso dessa forma e por isso candidatei-me a uma posição que na altura abriu para a ASPIRE Academy como analista de jogo. Depois de algumas entrevistas, analises, fui selecionado. Hoje estou num projecto ambicioso e muito bem pensado, que visa formar e chegar com um excelente nível competitivo ao Campeonato do Mundo de Futebol 2022 que se vai realizar em Doha – Qatar.

 

Explica-nos como é o teu dia a dia no Qatar.

  O dia a dia no Qatar impressiona por os contrastes são tremendos. A multiculturalidade desta cidade faz com que seja um polo constante de mudança com pessoas de diferentes culturas a darem o seu contributo para fazer com que o país cresça. Por entre reuniões com treinadores, planeamento de sessões de treino, horas de analise de jogo, tudo isto visa o crescimento e valorização do jogador Qatari que esta em clara evolução. Neste momento estou a trabalhar mais focalizado para a Seleção Nacional do Qatar Sub-19, onde estamos a preparar o Campeonato Asiático Sub-19 (AFC U19) que dará acesso ao Mundial Sub-20 em 2017 na Coreia do Sul.

 

O treinador Português é bem visto no Qatar?

  Sem duvida. Há uma valorização constante, que advém muito dos resultados dos treinadores portugueses que estão a ter sucesso nas varias competições na Europa. Exemplo disso e termos na 1a liga do Qatar o mister Jesualdo Ferreira, o mister Pedro Caixinha e o mister Ze Nando. O mister Joao Carlos Pereira esta também aqui na Academia ASPIRE como coordenador. Não tenho duvidas que mais irão chegar...agora, a realidade em nada se parece com a competitividade que existe na Europa.

 

Qual a tua grande referência como treinador e como analista?

 Pep Guardiola. Talvez porque já falei com ele e tive a oportunidade de ver como treina, aportando muito daquilo que acredito - um treinador que faz com que a interação seja consequência do que se treina e prepara, sempre num sentido comum e em que a valorização de todos os que trabalham com ele seja tremenda. Mas José Mourinho, Jurgen Klopp e Villas-Boas são referencias muito importantes para mim.

Jose Alexandre Carneiro é um analista de jogo que trabalha actualmente para a Federação Portuguesa de Futebol e foi ele o grande impulsionador para eu hoje ser analista de jogo. Tenho e terei sempre como referencia. Tinha 16 anos quando me falou pela 1a vez sobre o que era analise de jogo, tudo o que envolvia...e isso fascinou-me, dai desde muito novo ter dado uma importância muito grande a analise como forma de chegar um dia a treinador.

 

Quando observas um jogo ao vivo qual é a primeira coisa que reparas numa equipa? Como começas a analisar uma equipa? Como estruturas a análise?

  O contexto é determinante. Não posso deixar de observar uma equipa, seja qual ela for, sem perceber o contexto para que vou preparar uma determinada analise de jogo. O jogo nasce nas interações dos que jogam e a meu ver, um bom analista descodifica os momentos do jogo mais significativos para depois poder transmitir ao treinador as suas ideias. Não tenho uma estrutura fixa para analisar uma equipa, sou muito das sensações que o jogo me transmite...

 

Quanto tempo demoras a observar e a fazer o relatório de um jogo / equipa?

  É sempre difícil quantificar quando falamos em analise de jogo. Depende daquilo que o jogo transmite e da especificidade que o treinador pede. Mas em media, se fizer uma analise aprofundada de todos os momentos do jogo demoro cerca de 3-4h a preparar um relatório completo, sempre suportado com vídeo ilustrado.

 

Que diferenças, ao nível do treino, da percepção do jogo ou dos materiais que encontraste ai?

  Ao nível do treino não muitas...hoje em dia a base é sustentada na linha que temos em Portugal, obviamente segundo uma metodologia que pertence a ASPIRE Academy. A perceção do jogo no Qatar tem que ser necessariamente a mesma, mas la esta, voltando as sensações que um jogo transmite... é diferente, alias, nem tem comparação possível. Em termos materiais foi onde encontrei a grande diferença. Por se valorizar muito o futebol e obviamente por haver financiamento que o permita, estrutura como a ASPIRE Academy talvez só o Manchester City possa competir, mesmo assim, em termos de área e infraestruturas nunca vi algo assim.

 

És tu que apresentas o adversário à equipa ou apresentas aos treinadores e estes apresentam à equipa?

  Já vivi de tudo, mas actualmente sim sou eu que faco as apresentações de vídeo a equipa.

 

Como preparas uma observação? Quais os materiais indispensáveis ao teu trabalho neste momento?

  O suporte da filmagem considero determinante e fundamental para transmitir ideias, conceitos...momentos do jogo/treino. Recorro sempre que possível ao vídeo para me basear nas analises que faco, porque só assim se percebe o contexto, a realidade que encontramos ou poderemos vir a encontrar.

 

A grande parte dos treinadores em Portugal, não tem condições humanas nem materiais para trabalharem a observação, como aconselhas a que se faça o trabalho de observação em clubes com menos posses? Algum software ou técnicas?

  Como costumo dizer, praticamente 90% das pessoas já tem um telemóvel com camera que permite tirar fotos/fazer vídeo. Com essa ferramenta já se pode fazer algo... Agora os recursos humanos para se poder fazer um trabalho de analise de jogo bem elaborado, depende muito da mentalidade que cada clube/treinador tem. Com pouco muitas vezes faz-se mais do que em sítios onde se tem tudo, não tenho duvidas. Nunca trabalhei, mas pelas criticas positivas que tenho ouvido, o LongoMatch e um software bem conseguido e que permite já fazer coisas interessantes.

 

Dá-nos um exemplo de como a observação do adversário, influencia o treino durante a semana...

  Mais uma vez digo que depende do contexto/realidade e acima de tudo do treinador. Já trabalhei com treinadores que praticamente não ligavam a isso, outros importância extrema. Mas acredito que influencia sem duvida alguma. Se soubermos como um adversário nos vai potencialmente atacar, posso trabalhar a estratégia para defender de forma a impedir que isso aconteça. No final tudo é jogo e tens que saber valorizar o contexto competitivo e conjecturar da melhor maneira o que pode acontecer, percebendo e comparando as tuas qualidades como equipa/colectivo com as do adversário.

 

O que achas acerca da padronização de jogadas / movimentos? És adepto? Em que fase /fases?

  Pelo que leio da historia do futebol e olhando para os dias de hoje, os métodos mudaram imenso. Não se pode padronizar uma jogada quando tudo é interação que emerge do lado caótico do jogo e que só o jogo o pode transmitir. Sou adepto da resiliência, dai não vejo um jogador com capacidades isoladas. Por vezes tenho a sensação que quer-se controlar o que menos transcendência tem, para de forma interessada converter em transcendência. Um treinador tem que estar sempre preparado para a mudança porque não vai ser o mesmo, jogo após jogo. Acredito muito que dependemos dos contextos do mesmo modo que os contextos dependem de nos.

 

Onde te vês daqui a 5 anos? Quais os teus planos?

 

 Não tenho ideia com o que me posso deparar no futuro. Vou aproveitando todos os momentos que a Vida me da, que não são poucos, tentando sempre tirar proveito de todas as experiencias. Se me perguntares qual e a minha ambição, tenho bem claro que encanta-me o treino. Ser treinador esta nos meus planos a longo prazo. Actualmente e a curto prazo quero voltar ao futebol profissional numa liga competitiva, se pudesse escolher - na Europa. Não vejo outro lugar no Mundo onde se viva tao intensamente o futebol como Inglaterra/Alemanha. Gosto de respirar essa paixão pelo jogo e no Médio Oriente isso não é fácil.

 

Qual a tua opinião sobre os treinadores Portugueses?

  Da-me um orgulho tremendo ter na parte de trás da minha secretaria na ASPIRE Academy uma noticia do site da UEFA: “Portugal’s coaches leading the way” (Treinadores Portugueses lideram o caminho...) – Noticia quando tivemos 6 treinadores na Liga dos Campeões. Acho que isso, por si só diz muito e enche-me de orgulho.

 

Agradecemos muito a tua disponibilidade de partilhar conhecimentos connosco. Pedíamos-te uma Mensagem para todos os treinadores que são seguidores da WI Coach.

 

A partilha, no meu ponto de vista, tem que ser algo que todos devemos ter no nosso pensamento. Há culturas em que isso é permitido e todos temos a ganhar com isso.  Sem duvida que o vosso projecto visa isso e claramente tem em mãos uma ferramenta notável para que essa partilha seja feita da melhor forma, pois só assim continuamos a crescer. Muito sucesso!

 

Muito obrigado pela colaboração.

Partilhar:

Comentários

O que se passa hoje?