ANTÓNIO FIDALGO - Treinador, Comentador e Coach Desportivo

ANTÓNIO FIDALGO - Treinador, Comentador e Coach Desportivo

Entrevista Obrigatória!

Quem é o António? E quem é o António Fidalgo, figura pública?

O António é um pai baboso de cinco filhos que já lhe deram quatro netos e que, depois de alguns anos regressou ao local que o viu nascer, vivendo agora tranquilamente nas imediações da cidade de Espinho.

O António Fidalgo, é o mesmo António, só que na vertente profissional, como analista e comentador desportivo na RTP e na RR.

 

Onde começou a sua ligação ao futebol e como tem sido essa ligação até aos dias de hoje?

Começou aos 16 anos como juvenil do S.C.de Espinho e perdura até aos dias de hoje, com várias funções pelo meio, umas mais diretas, outras menos diretas, sempre com a mesma paixão pelo jogo e que me “custou” a entrada na faculdade aos 17 anos

 

Qual e onde foi o melhor período do António Fidalgo como jogador? E como Treinador?

Vários como devem imaginar, tanto como jogador como como treinador.

Dentro das quatro linhas, a temporada (período) em que representei o S.C. de Braga, é inesquecível, pois fui considerado um dos melhores jogadores do campeonato (1º com Chalana) e principalmente por ter tido pela 1ª vez possibilidade de jogar todos os jogos do campeonato e da Taça de Portugal (final com o F.C.do Porto).

A conquista do campeonato pelo S:C:de Portugal (79/80) é logicamente um marco na minha carreira, assim como todas as ocasiões que tive para representar a Seleção Nacional nos vários escalões.

No S. L. e Benfica tive poucas oportunidades para jogar ao mais alto nível, tendo ainda uma curta passagem pelo Leixões, uma temporada no Salgueiros e duas no Estoril Praia.

Como treinador, relembro mais as passagens por clubes onde consegui subir de divisão e em alguns desses casos, acumulando com o de Campeão Nacional (Campomaiorense, Atl.Valdevez e Vianense)

 

Enquanto comentador de futebol, como se prepara para explicar o jogo a quem o ouve?

Um monte de folhas (ou tablet) com todos os dados, individuais e coletivos, sobre as equipas em confronto é algo que me acompanha em todos os jogos que analiso e comento, tanto na rádio como na televisão.

Durante a semana, através dos media, acompanho tudo o que se passa, focando-me muito mais na essência do próprio jogo e nos (verdadeiros) protagonistas que lhe dão vida, do que em aspetos que o circundam.

 

Como define o actual estado do futebol português? Que medidas considera necessárias para que melhore?

O FUTEBOL está ótimo e…recomenda-se. Temos o melhor jogador do mundo e alguns outros que medem forças com os melhores, acontecendo exatamente a mesma coisa em relação aos treinadores portugueses, reconhecidos mundialmente pelas suas capacidades.

Somos Campeões da Europa e nos últimos (largos) anos marcamos presença assídua nas fases finais dos torneios europeus e mundiais.

Nunca o futebol português tinha alcançado patamares iguais ou similares

Se existe algo a melhorar, não estará certamente relacionado com jogadores e treinadores que são em boa verdade os grandes protagonistas do JOGO, antes com aspetos que os rodeiam e sobre os quais sinto não ter grandes competências para os discutir e/ou ajuizar.

 

Como caracteriza os treinadores portugueses? O que nos distingue dos outros?

Dos mais capacitados do mundo, aliando grandes competência ao nível do saber saber às do saber ser, saber fazer, em todas as componentes do treino e do jogo – técnicas; táticas /estratégicas; físicas e mentais

A aprendizagem continua e continuada, a capacidade de adaptação a várias “realidades”, e também (sobretudo?) pelo muito que absorvem das ideias partilhadas pelos excelentes “professores da matéria” que felizmente “crescem” em Portugal.

Por fim e não menos importante, por terem “jeito para a coisa”, como habilidade quase natural

 

É conhecida a sua ligação ao Coaching. Como é que começou essa ligação?

Pela ordem natural da vida!

Atingimos um certo período da nossa vida em que o círculo natural da mesma se vai invertendo, passando a ser os filhos a fazer algumas recomendações aos pais! O mesmo se passou comigo, quando o meu filho Pedro, acabado de fazer a primeira formação em Coaching, me chamou a atenção para estas áreas do conhecimento, realçando a grande utilidade de algumas técnicas e de algumas ferramentas do Coaching para a minha própria valorização enquanto treinador e/ou diretor desportivo, funções que ia exercendo há muitos anos.                                                                          

Como confio muito nos meus filhos, de imediato me inscrevi numa Certificação Internacional de Coaching Desportivo que se iniciava dias depois.

Resultado:

Todas as minhas expectativas foram superadas, alargando o âmbito de valorização “profissional”, à vida pessoal e social.

Assim, reconhecendo a importância das componentes mentais e da sua interligação constante e permanente com o resto do corpo (fisiologia), a ligação a estas áreas - pelos benefícios que ia retirando - acentuou-se cada vez mais, assim como a procura de novos conhecimentos.

Seguiu-se a PNL (programação neurolinguística) com o “Certified Practitioner of NLP”- ITA (international Trainer Academy) e pouco depois “Psicologia y Entrenamiento Mental en Fútbol” – UPAD Madrid,  e que perdura até aos dias de hoje com mais (muitas) formações, pelo meio, aliadas a uma continua aprendizagem, ao ponto de a missão de treinador e diretor desportivo ter passado para segundo plano, em relação à nova missão de partilha, enquanto Life and Sports Coach, Trainer de PNL, Formador e Palestrante.

 

É público que Fernando Santos requereu a sua ajuda na preparação da selecção da Grécia para o Mundial do Brasil. Como foi essa experiência?

Foi uma excelente experiência e que pelos vistos teve alguma repercussão no imediato pois a seleção grega alcançou a melhor classificação em fases finais de campeonatos do mundo.

Sei que muitas das técnicas, das ferramentas e das estratégias mentais que entreguei nessa altura ainda são utilizadas pela equipa técnica, agora ao serviço da seleção portuguesa.

 

Como avalia o treino mental ou comportamental do desporto em Portugal?

Ainda existe uma certa resistência, talvez por desconhecimento, a estas áreas mas com o tempo cada vez mais se manifesta o interesse em saber mais. Estou certo que no futuro breve, será fundamental trabalhar de forma profissional as componentes mentais, emocionais e comportamentais em todas as modalidades, até porque é evidente tratar-se de um investimento com um retorno extremamente considerável.

 

Quais são as mais-valias do Coaching junto de um treinador ou equipa?

Seria uma lista bastante extensa que vou procurar resumir.

Em primeiro lugar e acima de tudo o resto, o Coaching é um processo de Desenvolvimento Pessoal e Comportamental, portanto e tal como o nome indica, o foco do Coach, na relação com o Coachee, é a pessoa. Primeiro o SER, e só depois o Fazer e o Ter.

Algumas mais-valias que o Coaching proporciona, neste caso particular, nas áreas do desporto, comparo-as frequentemente a uma “caixa de ferramentas”, que se vai enchendo durante as sessões e que proporciona ao desportista material para, de forma específica, aplicar, de acordo com as suas próprias necessidades e/ou expectativas.

Existem ferramentas nessa caixa que, tecnicamente bem aplicadas, potenciam mudanças e transformações muito significativas, tanto na forma de liderar como na coesão da equipa, além de outras que ajudam a elevar a outo nível algumas capacidades e habilidades comuns à grande maioria dos desportistas, como por exemplo:

- Comunicação Intrapessoal e interpessoal

- Potenciação da a liderança

- Concentração

- Motivação

- Auto-confiança e Auto-estima

- Definição de metas e objectivos - individuais e colectivos

- Elaboração de planos de ação

- Alteração de hábitos

- Gestão e controlo das emoções

- Superação de crenças limitadoras

- Aumento dos recursos internos disponíveis

- Hierarquização dos Valores

- Promoção da ética desportiva

- Coesão grupal

Etc, etc

 

Muito Obrigado!

Partilhar:

Comentários

O que se passa hoje?